Hemisférios Norte e Sul

Uma das mais importantes questões feitas por pessoas de todo o mundo, é se devemos ou não alterar o Feng Shui para o hemisfério sul de nosso planeta. Sabemos que os hemisférios são como espelhos, refletindo determinadas energias de maneira oposta. Este fato, segundo algumas pessoas, é suficiente para mudarmos as teorias desenvolvidas pelos antigos chineses que viviam no hemisfério norte. 

Como a questão é muito mais do que apenas opiniões pessoais, precisamos analisá-la em detalhes para avaliarmos cada ponto e, assim, formarmos uma conclusão.

Primeiro, vamos analisar as idéias defendidas pelas pessoas que dizem que devemos modificar as teorias para o hemisfério sul.

Alegação 1

"Existe uma força na terra, chamada Efeito Coriolis, causado devido à rotação da terra e sua forma arredondada. Ele é visível no movimento dos ventos e das correntes marítimas, como também de ciclones e tornados, sendo muito importante para calcular a trajetória de vôos e aviões, mísseis e foguetes. Esta força atua no sentido anti-horário no hemisfério norte e horário no hemisfério sul. De acordo com as diferenças existentes nos dois hemisférios graças a força de Coriolis, devemos alterar as teorias para o hemisfério sul".

Alegação 2

"Além disso, como o Feng Shui foi criado no hemisfério norte, e apenas muito tempo depois os chineses foram conhecer a existência de outros continentes na terra (e assim o hemisfério sul), ele deve ser adaptado às diferenças existentes. China em chinês significa Reino Central, pois os antigos chineses pensavam que eles eram o centro do mundo. Os chineses consideram o sul como uma direção sagrada, de onde vem o sol, o calor e conseqüentemente, a vida. Mas no hemisfério sul, o calor vem do norte, ao contrário. Para completar, o norte do hemisfério norte é frio e o sul é calor. No hemisfério sul é o contrário, o norte é calor e o sul é frio, a imagem de hemisférios espelhados. Esse fato também pode ser relacionado com as estações do ano, que são diferentes".

Na natureza, dá-se ênfase no que é, e não no que deveria ser.

                   Huston Smith

Essas são as alegações de quem defende as mudanças. Vamos analisá-las de acordo com as teorias originais do Feng Shui. Desde que estamos fazendo uma comparação da possível necessidade de mudanças, o mais sensato é basear nossa pesquisa nas teorias do Feng Shui desenvolvidas na China.

Em primeiro lugar, não podemos dizer que as teorias devem ser mudadas apenas pelo fato de que o aspecto climático é diferente nos dois hemisférios. Existem regiões na Terra que possuem climas diferentes de acordo com muitos fatores, como a presença de montanhas, oceanos, florestas e desertos, além da influência de massas de ar quente e frio. Resumindo, existem inúmeras coisas que devem ser levadas em consideração antes de concluirmos um fato que não é óbvio. Não existe um modelo perfeito do clima na Terra. A análise de qualquer Atlas irá revelar as inúmeras diferenças entre climas de regiões situadas na mesma latitude. Isso é particularmente importante se estudarmos as regiões no hemisfério norte que estão na mesma latitude da China. Veremos que o clima não é igual, e isso é um importante fator para eliminar a questão do clima como determinante das mudanças. Além disso, não podemos esquecer que o Chi não é apenas relacionado ao calor, mas também a energia eletromagnética, geomagnética, movimento e vibração. Seria um grande erro classificar o Chi como fator climático.

A maior parte das teorias do Feng Shui vieram de duas fontes, as chamadas Seqüência do Céu Anterior e Seqüência do Céu Posterior dos trigramas do I Ching. Sabemos que a primeira seqüência reflete a forma que a energia atua no universo ou no Céu, e a segunda seqüência, a energia na Terra. Com o relacionamento existente entre essas duas seqüências, determinamos uma série de teorias e técnicas para trabalharmos com o Feng Shui. Se dissermos que precisamos alterar as teorias, então devemos alterar as seqüências. Isso é correto? Vejamos.

Analisando a Seqüência do Céu Posterior dos trigramas, a seqüência que utilizamos para os cálculos do Feng Shui, veremos que Kan está associado ao Norte e Li, ao Sul.

Seguindo as características dos trigramas, contidas no I Ching, temos:

KAN

     
    Simbologia: Água.
    Relacionamento familiar: Filho do meio.
    Época: Inverno
    Elemento Água.
    Cor: Preto e azul.
    Parte do corpo: Ouvidos, sangue e rins.
    Doenças: Problemas nos ouvidos e rins.
    Características: Perigoso, fraco externamente, mas decidido internamente e corajoso.

LI

     
    Simbologia: Fogo.
    Relacionamento familiar Filha do meio.
    Época: Verão.
 

 

Elemento Fog.

 

  Cor: Vermelho, roxo, laranja e rosa.
    Parte do corpo: Olhos, coração e sangue.
    Doenças: Visão, problemas cardíacos.
    Características: Conhecimento, arte, sabedoria e impaciência.

Isso nos diz que Kan está associado com a água, o frio, a neve, a hibernação e Li com o fogo, o calor, o movimento. Isso é suficiente para dizer que as teorias originais estão certas, pois o hemisfério norte é muito mais frio que o hemisfério sul. Em outras palavras, no hemisfério norte temos a presença de Kan e Li no hemisfério sul, ambos com suas características de acordo com a realidade.

Não devemos esquecer que as divisões da Terra em duas partes, chamadas hemisférios, são uma construção humana baseada em um conceito imaginário. Elas foram criadas para nos ajudar e nada mais. O mesmo acontece com o Meridiano de Greenwich. Ele é um meridiano, um conceito imaginário. Da mesma maneira que dizemos que existem o hemisfério norte e o sul, podemos dizer que existem o hemisfério ocidental e o oriental, todos baseados em conceitos cartográficos. Se formos dividir a área de influência das teorias do Feng Shui de acordo com condições climáticas, então teremos que dividir a Terra em 3 zonas, a polar, a temperada e a tropical. Não existe lógica nem razão nisso.

Uma pergunta interessante: como sabemos se uma casa construída em Quito, no Equador, está situada no hemisfério norte ou sul? Para isso, precisamos de equipamentos como um GPS (sistema de posicionamento global), que nos diz a latitude e longitude em que estamos baseado em dados de satélites. E se uma casa estiver precisamente sobre a linha do Equador? Qual teoria iremos usar? Não podemos esquecer a questão do equador, pois sabemos que existem cinco diferentes tipos de equador. Qual deles iremos usar?

Equador geográfico
construído de acordo com as idéias humanas e facilidade para a cartografia. Forma a linha de referência imaginária na superfície da Terra da qual a latitude e a longitude são calculadas. Não é uma coisa real e não podemos levá-lo em consideração.

Equador geomagnético
é uma linha imaginária situada em um ponto médio entre os pólos magnéticos norte e sul. Ela é medida de acordo com a força relativa de cada pólo a cada ano. Sabemos que o campo geomagnético é formado com fatores complexos e sempre variáveis devido ao seu constante estado de fluxo. Se formos levar em consideração esse equador, então as análises feitas próximas a ele, terão que ser modificadas sempre que o campo geomagnético sofrer alterações.

Equador climático
também conhecido como Zona de Convergência Intertropical (ICZ), uma linha de mudança que separa condições climáticas. Entretanto, a linha sofre alterações aleatórias, sem um princípio definido. Alguns eventos climáticos, como ocorrem, por exemplo, na Índia, podem levar a Zona de Convergência para locais mais altos que o Trópico de Câncer.

Equador solar
é o centro entre os solstícios, baseado no efeito da distribuição da radiação solar. Se levarmos esse sistema em consideração, teremos que checar pequenas perturbações na rotação da Terra, conhecidas como libração, principalmente a nutação e o movimento polar.

Talvez o fator mais importante a ser considerado, é que o Feng Shui é influenciado, principalmente, pelo campo geomagnético terrestre. Não importa onde estamos na superfície terrestre, ele influenciará as construções da mesma maneira. A influência climática possui efeitos secundários e não determinantes das teorias do Feng Shui. Isso é particularmente importante para os arquitetos, que irão posicionar as casas em diferentes direções nos dois "hemisférios" de maneira que o movimento do sol incida sobre certas áreas internas, tornando-a mais agradável para viver. Fica claro que os antigos Mestres sabiam claramente reconhecer e descrever os efeitos do magnetismo, principalmente discutindo as teorias do Yin Yang e Cinco Elementos.

Se formos considerar teorias mais avançadas do Feng Shui, como os cálculos envolvendo elementos do tempo e os famosos ciclos yun, chegaremos à conclusão que não podem ser modificados. Segundo essas teorias, o alinhamento dos planetas do sistema solar determina o início dos ciclos. Essa energia é causada pela força gravitacional de cada planeta sobre a Terra. O calendário chinês também é baseado nesse alinhamento. Se formos considerar a força gravitacional incidindo sobre a Terra, não importa em qual hemisfério estamos, toda a superfície terrestre receberá a mesma energia. Se mudarmos as datas dos ciclos para o hemisfério sul, os planetas estarão fora do alinhamento, provando que as modificações não podem ser feitas.

Para alterar as teorias, não podemos nos basear apenas nos elementos externos. Temos que mudar a origem. Se isso for feito com as duas seqüências do I Ching, estaremos indo contra sua criação, características e propriedades. Depois de muitas pesquisas, experiências práticas e as explicações acima, penso que não devemos alterar as teorias. O Feng Shui pode ser praticado da mesma maneira nos dois hemisférios. Os antigos chineses certamente sabiam, de alguma forma, do tamanho da Terra e como as energias influenciavam todo o planeta. O Feng Shui é um estudo complexo de uma grande sabedoria, e simplesmente não podemos querer supor que os antigos Mestres não sabiam o que estavam fazendo.

Por mais que se diga, a única maneira, realmente verdadeira de comprovar as possíveis modificações, em última análise, só pode ser feita com experiências práticas. Por estar vivendo no "hemisfério sul" e ter inúmeros contatos com autoridades mundiais em inúmeros países, pudemos verificar, na prática, a possibilidade das modificações e elas provaram ser falsas, através da análise sistemática de inúmeros casos.